quinta-feira, 7 de maio de 2009

Se o acaso existe, Eu sou o acaso

Há pessoas que passam por nossas vidas e nos marcam profundamente. Em 1997, quando fui a Fortaleza visitar minha filha, que lá reside desde os 2 anos de idade, tudo o que eu queria era fazer aquelas coisas corriqueiras que todo pai faz: dar atenção, levar e pegar na escola, comprar besteiras, etc.


Logo no início de minha viagem, fui buscá-la na escola e, voltando os dois a pé para casa, parei em uma pequena papelaria do bairro, pois minha filha queria uma caixa de giz. Fui atendido por uma linda morena, que me deixou totalmente desnorteado. Desde então, parar e olhar a vitrine dessa papelaria virou rotina. Todos os dias ia pegar minha filha A. na escola e, no caminho, parava para apreciar a "vitrine" da papelaria. Sabendo do estado civil da linda morena, tive que me contentar apenas em olhar. Vinte e cinco dias se passaram e retornei ao Rio. Logo no segundo ou terceiro dia em casa, meu ex-cunhado, parceiro de saídas em Fortaleza, me chamou em pvt no mIRC e disse: "Conheci uma menina linda aqui em Fortaleza, advinhe quem é?" É isso aí mesmo: era a linda morenda da papelaria. Assim, pela internet, passamos a trocar agradáveis conversas, que por vários dias se repetiram, até que, de repente, sem mais nem menos, ela sumiu. Sem poder fazer contato por telefone, guardei com carinho os momentos que virtualmente passamos juntos.


Quando essa história parecia ter tido um fim, eis que, 5 anos depois, ela reaparece - e em um momento muito importante de minha vida. Eu queria fazer uma surpresa à minha filha A. e chegar em Fortaleza, sem avisar ninguém. E isso só se tornou possível graças à gentil hospedagem da linda morena. Cheguei no dia do aniversario de A. Era uma sexta-feira - lembro perfeitamente - , e ela aguardava ansiosamente pelo meu presente, que sempre seguia via SEDEX. Mas desta vez foi diferente. Eu era o SEDEX. Cheguei à porta e gritei: "SEDEX!" Foi uma emoção indescritível ver a alegria de A. naquele surpreendente momento.


Mas o melhor ainda estava por vir. A noite chegava, e eu estava louco para ver , abraçar e sentir minha linda morena. Horas depois, fui para a casa dela, tentar realizar esse desejo. Foi um encontro mágico. Não esqueço um só detalhe: a madrugada entrando, o som tocando, a rede embalando nossos carinhos. Foram três dias inesqueciveis ao lado dela. Valeu demais.


Até hoje tenho o CD do U2, as fotos e, principalmente, um carinho enorme pela mais bela morena que ja tive em meus braços.





Eu nunca esqueço as pessoas importantes que passam pela minha vida.

3 comentários:

meraluz disse...

O que a gente leva da vida a não ser esses momentos felizes, não é Marcinho? O importante é dizer: Valeu!

Valeu a pena, hey hey! Valeu a pena, hey hey!

bjs :*

Noemi Baptista disse...

Adorei!!!
Ao ler, parecia que estava vendo as coisas acontecerem.
Quanto ao título, acho que ouvi alguém dizer isso e olha q tem um chapéu tipo esse seu! hahahaha

Beijos da sua fã e rimã

bunekha de panuh disse...

Não é bem o principal da postagem,mas..eu lembro da surpresa que cê fez,nafa saudades mil *-*'
amo vc pai *: